Slide

  • Título 1MEMS realiza hangout sobre Desafios diários do empreendedorismo feminino na Bahia
  • Titulo 2O segredo para se manter motivada!
  • Titulo 3Fundadora do MEMS fala sobre iniciativa empreendedora em rádio soteropolitana
1 2 3
Image Slideshow by WOWSlider.com v4.8

Últimos posts

Por que os empreendedores devem investir em marketing digital?

*por Viviane Damasceno
 Nos últimos anos, a Comunicação tem passado por muitas transformações com o surgimento de novas ferramentas, e tem se tornado forte aliada de empresas e organizações que visam alcançar suas vendas e fortalecer/melhorar sua imagem no mercado.
A comunicação mercadológica tem como foco a área comercial, tendo como principal objetivo a conquista de novos mercados, além da manutenção dos seus objetivos financeiros já existentes. Nesse tipo de comunicação são utilizados dos mais variados artifícios para atrais a atenção do público-alvo. Dentre eles a promoção de vendas, a propaganda, o merchandising, promoção, marketing direto, e o mais novo canal de comunicação queridinho do mercado: as mídias digitais.
A Internet já se tornou uma das mais poderosas tecnologias com efeitos impactantes na sociedade, como também no comportamento e nas relações pessoais. A comunicação através do computador abre portas para o surgimento de novas comunidades online, nas quais os participantes debatem e dividem informações e ideias. As tecnologias de informação têm assumido papeis importantes na sociedade atual.
A Internet tem evoluído muito, e passou a ser a principal forma de se conectar com pessoas de diversos locais, através de 1.500 sub-redes e 250 mil hots. Segundo o IBOPE, em 1999 o número de internautas era de aproximadamente 2,5 milhões. Três anos mais tarde, com a comercialização da internet, esse número passou para 7.68 milhões.
Segundo a mesma fonte, o número de pessoas com acesso à internet no Brasil atingiu 82,4 milhões no primeiro trimestre de 2012, um crescimento de 5% em relação ao mesmo período do ano retrasado. De cada dez brasileiros, oito utilizam as redes sociais para se relacionar com outras pessoas e com as empresas e ficam em média 15 horas por dia conectados à rede. O crescente número de pessoas aderindo ao uso da Internet possibilitou o aparecimento de uma plataforma de interação conhecida como ciberespaço.
Nesse novo ambiente, milhares de pessoas estão conectadas, colaborando com o processo da comunicação digital. Com base na literatura de Martins e Silva, nesse novo ambiente, a comunicação deixa de ser o sistema “um para todos” oriundo do rádio, jornal e televisão, para se caracterizar como a comunicação de muitos para muitos.
Para ser um usuário do ciberespaço, o internauta não precisa ser expert em programação ou ter conhecimentos específicos. Lemos (2002) define o internauta como uma figura típica da pós-modernidade: amador. “Uma vez que a informação pública se encontra no ciberespaço, ela está virtual e imediatamente à minha disposição, independente das coordenadas espaciais de seu suporte físico” (LEVY, 2007). Levy explica esse comportamento como típico do ciberespaço, aonde o internauta vai diretamente em busca da informação mais precisa, captando somente o que lhe interessa.
No atual cenário mundial, a globalização da economia exige mudanças organizacionais rápidas e radicais para a manutenção de competitividade no mercado consumidor, assim, as pessoas e as empresas vivem um momento, onde o grande desafio é acompanhar as mudanças buscando uma nova forma de gerir a fim de garantir um bom funcionamento da organização. A utilização de determinados instrumentos de comunicação é fundamental para que uma empresa consiga se estabelecer de forma sólida no mercado, objetivando identificar as necessidades dos seus clientes.
E as redes digitais têm chamado à atenção de diversos ramos que viram nesse novo canal de comunicação, uma possibilidade de divulgar a marca, vender seus produtos e serviços, se relacionar melhor com seus clientes e fidelizá-los. Assim, o mercado passou a desenvolver uma comunicação mais direta a fim de atingir seu público. E foi acompanhando essas mudanças e de olho na popularização da internet no país é que o mercado começou a invadir as redes sociais.
Empresas conhecidas já investem no mundo virtual e possuem Facebook, Twitter, Flickr, Youtube, Pinterest, Instagram, Periscope Blog Corporativo e outros, que têm canais com informações sobre lançamentos, possibilitam que os compradores acompanhem por fotos, vídeos, notícias do setor, além de tomar conhecido das ações de responsabilidade social das empresas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Relações públicas e modernidade: novos paradigmas na comunicação organizacional. São Paulo: Summus,1997.
LEMOS, André. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2002.
LÉVY, Pierre. Cibercultura. 6. ed. São Paulo: Trinta e quatro, 2007.
LUPETTI, Marcélia. Gestão estratégica da comunicação mercadológica. São Paulo: Cengage Learning, 2009.
MARTINS, Francisco Menezes e SILVA, Juremir Machado da. A genealogia do virtual: comunicação, cultura e tecnologias do imaginário. Porto Alegre: Sulina, 2004.

 *por Viviane Damasceno - Jornalista, Especialista em gestão da Comunicação Corporativa, consultora de comunicação para pequenos negócios, fotógrafa e idealizadora do MEMS.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário